Menu Fechar

V Jornadas Nova Música – Aveiro 2001

13 a 21 de Dezembro de 2001

As Jornadas Nova Música têm por objectivo a criação de um espaço onde músicos e público – compositores, intérpretes, musicólogos, e melómanos – possam partilhar o conhecimento da música, da arte, da cultura, num conhecimento que se quer reflexo do nosso tempo, filtrado pela seriedade, espírito crítico e abertura; no fundo, uma vivência da contemporaneidade atenta ao que de novo surge, com consciência do passado e intuição do futuro.

O programa que preparámos para a 5a edição das Jornadas Nova Música estende-se por nove dias, abrangendo as áreas da pedagogia, do debate, da criação e da interpretação.
Por altura do seu septuagésimo quinto aniversário, não quisemos deixar de homenagear uma das figuras mais marcantes da música ocidental da segunda metade do século XX: Pierre Boulez. Assim, ser-lhe-ão inteiramente dedicados uma conferência e um recital de piano, sendo ainda interpretadas algumas das suas obras noutros recitais, como é o caso dos concertos da Orquestra do Estágio de Interpretação Nova Música e o recital de música electroacústica, onde será tocada em estreia nacional a versão para fagote e electrónica da peça Dialogue de l’ombre Double.
Philippe Hurel, Beat Furrer e Miguel Azguime são os três compositores que estarão presentes nesta edição para partilhar connosco a sua música e o seu saber.

O Estágio de Interpretação Nova Música reúne jovens intérpretes e compositores num trabalho conjunto, sob a orientação do experiente maestro e compositor suíço Beat Furrer. Para além de obras de P. Boulez e M. Feldman, serão apresentadas em estreia absoluta obras de jovens compositores portugueses, interpretadas por músicos oriundos de várias escolas do país. O trabalho dos ensaios, que decorrerão ao longo de quase uma semana, será apresentado ao público em concertos na Universidade de Aveiro e no Auditório de Serralves.
As Master Classes são outro elemento essencial na programação das Jornadas, permitindo um contacto com músicos de nível excepcional, que apenas pontualmente se dedicam ao ensino ou que ensinam em instituições estrangeiras. Teremos, então, Master Classes de Composição pelos compositores Miguel Azguime e Philippe Hurel (este último, pela primeira vez em Portugal), de Canto pelo soprano Ana Ester Neves e de Fagote por Pascal Gallois.

Dando continuidade à divulgação dos novos valores musicais portugueses merecedores de destaque, o primeiro dos recitais será protagonizado pelo jovem tubista Sérgio Carolino.
Nesta edição damos início a um novo estímulo à criação musical através da realização de uma encomenda a um jovem compositor português em início de carreira. Ricardo Guerreiro, o compositor que recebeu a primeira encomenda das Jornadas Nova Música, trabalhou juntamente com Sérgio Carolino para a realização da obra que será interpretada em estreia absoluta neste primeiro recital, a par de um grande clássico do repertório contemporâneo para tuba, de Luigi Nono.
No segundo recital, um especialista na música de Boulez – Peter O’Hagan – dar-nos-á a escutar as três Sonatas para piano do compositor homenageado.
Numa audição comentada, os compositores Beat Furrer e Philippe Hurel partilharão connosco alguns aspectos da sua obra, contando para tal com a ajuda de alguns jovens intérpretes portugueses.
Num recital que reúne os intérpretes Ana Telles e Hervé Trovel, teremos oportunidade de ouvir obras para piano e/ou percussão de compositores como P. Boulez, P. Hurel e O. Messiaen, entre outros.
Não perdendo de vista o contacto com as instituições de ensino estrangeiras, contamos este ano com a presença de um grupo de jovens intérpretes e compositores que nos trazem um conjunto de peças da classe do Professor Nicolaus A. Huber, da Folkwang Hochschule Essen, em estreia nacional e mundial.

O debate continua a ser um factor privilegiado nas Jornadas Nova Música. Assim, manifestando-se na forma de um ciclo de conferências dedicadas à composição e ao ensino e também na promoção de uma reflexão sobre questões ligadas à Programação Cultural feita em Portugal.

As Jornadas Nova Música nasceram de uma vontade conjunta de viver a música com a qual partilhamos o nosso tempo. Deixemo-nos, pois, encantar por esta Nova Música!

A Direcção Artística

Programa geral

Dia 13, Quinta-feira

{slider=18h00 | Conferência por Michel Rigoni}

Evento cancelado

{/slider}

{slider=21h30 | Recital por Sérgio Carolino, tuba}

I Parte

II Parte

* estreia absoluta, encomenda das Jornadas Nova Música

Sérgio Carolino [biografia]

difusão e electrónica ao vivo: Davide Tiso e Ricardo Sezudo

{/slider}

Dia 14, Sexta-feira

{slider=18h00 | Conferência por Peter O’Hagan}

Música para piano de Pierre Boulez

Nesta conferência será abordada a génese das três sonatas para piano de Pierre Boulez, no contexto do desenvolvimento estilístico do compositor. Os exemplos serão retirados da primeira versão não publicada da 1ª Sonata, seguidos de algumas considerações sobre a 2ª Sonata, vista como o  culminar dos projectos artísticos do compositor no final dos anos 40. A 3ª Sonata será discutida em relação ao plano não realizado, discutido por Boulez no artigo Sonate, que me veux-tu e à vasta expansão do projecto durante o início dos anos 60. Os exemplos serão baseados em material não publicado, proveniente da Fundação Paul Sacher, em Basileia.

Peter O’Hagan [biografia]

{/slider}

{slider=21h30 | Recital por Peter O’Hagan, piano}

Sonatas para piano de Pierre Boulez

I Parte

  • Sonata nº 1  
    • Lent
    • Assez large – Rapide
       
  • Sonata nº 3  
    • Formant 1: Antiphonie
    • Formant 2: Constellation-Miroir
    • Formant 3: Trope
       

II Parte

  • Sonata nº 2  
    • Extrêmement rapide
    • Lent
    • Modéré, Presque vif
    • Vif
       

Peter O’Hagan [biografia]{/slider}

Dia 16, Domingo

{slider=18h00 | Conferência por Pedro Rocha}

Na conferência será abordada a obra Criação, filme de características abstractas, feito a partir da minha peça Composição I. Serão abordadas as relações da imagem com a música e, uma vez que o filme não é da munha autoria, será abordada sobretudo a composição da obra e a sua espacialização.

Composição I (2001)

Em Dezembro de 2000, alguns alunos da escola profissional ETIC fizeram-me  a proposta de fazer música para um filme. Após algumas semanas de conversação e de reflexão sobre a temática do mesmo, concordou-se que este teria características abstractas, apesar de praticamente todas as imagens terem origem no mundo real. Estas foram recolhidas de minerais ao microscópio polarizante, de vidro em fusão, de escopias várias ao corpo humano, de células, etc.
Decidiram que o tema da sua obra seria a criação do universo (daí o título do filme) e, por extensão, da vida, e que a música fosse feita em primeiro lugar.
Tal deu-me liberdade total de movimento e comecei a compor a obra no início de Maio de 2001, tendo-a terminado cerca de 45 dias depois e tendo sido a sua espacialização editada até princípios de Julho.
À obra resultante decidi dar o título de Composição I.

Pedro Rocha [biografia] {/slider}

{slider=21h30 | Recital de música electroacústica, com a participação de Pascal Gallois, fagote}

I Parte

II Parte

* 1ª audição em Portugal

Pascal Gallois [biografia] {/slider}

Dia 17, Segunda-feira

{slider=18h00 | Conferência por Miguel Azguime}

O ar do texto ou a forma do som

Miguel Azguime apresenta o seu trabalho composicional recente, obras que combinam meios instrumentais acústicos e meios electroacústicos, evidenciando as morfologias tecnológicas, biológicas e literárias que integram a sua música.

Miguel Azguime [biografia]{/slider}

{slider=21h30 | Conferência/Concerto por Beat Furrer}

O compositor abordará algumas características da sua obra, ilustrando com exemplos ao vivo alguns pormenores das peças a apresentar.

Programa:

  • Voicelessness. The snow has no voice, para piano solo
  • Music for Mallets, para trio de percussão

com a participação de:
Isabel Sá, piano
Grupo de Percussão da Universidade de Aveiro | Bruno Estima, Helder Roque e Pedro Fernandes

{/slider}

Dia 18, Terça-feira

{slider=18h00 | Conferência/Concerto por Philippe Hurel}

Com a participação de:
Ana Telles Antunes, piano e Hervé Trovel, percussão

Programa:

  • Tombeau de G. Grisey (1999), para piano e percussão (excertos)

* 1ª audição em Portugal

{/slider}

{slider=21h30 | Recital por Ana Telles Antunes, piano e Hervé Trovel, percussão}

Programa

* 1ª audição em Portugal

Ana Telles [biografia]

Hervé Trovel [biografia]

 {/slider}

Dia 19, Quarta-feira

{slider=18h00 | Debate “Programação Cultural em Portugal” | Museu da República}

participação de António Pinho Vargas (moderador), Carlos de Pontes Leça, Fausto Neves e Miguel Azguime {/slider}

{slider=21h30 | Concerto da classe de composição de Nicolaus A. Huber, Folkwang Hochschule Essen}

I Parte

II Parte

* 1ª audição em Portugal
** estreia absoluta

Flauta | Judith Müller (5)
Oboé | Junko Miyahara (5)
Clarinete | Sebastian Bongarz (1)
Fagote | Rebecca Hagen Sivri (5)
Trombone | Andreas Roth (1,5)
Piano | Hannes G. Seidl (1), Barbara Rojan (5)
Violino | Sabine Baron (2,3), Rina Suzuki (2,3)
Viola | Andres Mehne (3,5), Constanze Ahrendt (5)
Violoncelo | Christian Hacker (1,3,5)
Direcção | Holger Klaus (5){/slider}

Dia 20, Quinta-feira

{slider=18h00 | Conferência por Vasco Negreiros}

Formação auditiva para o repertório do Século XX

Embora já estejamos no início do Século XXI, continua a haver, de uma forma geral, pouca actividade pedagógica voltada para as características do repertório do século passado, acima de tudo no que toca à Formação Auditiva.

Embora seja imprescindível que os alunos de música executem nos seus instrumentos repertório dos séculos XX e XXI, para que se possam aproximar dos gestos musicais contemporâneos, pode a Formação Auditiva, como cadeira própria ou inserida na actividade de turmas de Formação Musical ou de Prática de Conjunto, contribuir para a catalisação de processos de descoberta, possibilitando ainda experiências que as limitações dos respectivos instrumentos não permitiram a  cada um dos alunos envolvidos.

Nesta conferência, pretende-se demonstrar acima de tudo actividades de animação musical, como se diz na Alemanha, que possam dinamizar a vivência de aspectos preponderantes do repertório do século XX, de maneira que os estudantes não sintam a música a que se usa chamar «contemporânea» como algo que aconteceu em Viena ou em Darmstadt, ou unicamente como um jogo de especulação escrita, mas sim, como matéria viva e em transformação, nas mãos, na voz e no ouvido de todos nós músicos que a concretizamos.

Vasco Negreiros [biografia]{/slider}

{slider=21h30 | Concerto da Orquestra do Estágio de Interpretação | Beat Furrer, direcção}

I Parte

II Parte

*1º audição em Portugal
**Estreia absoluta

Maestro: Beat Furrer
Maestro Assistente: Artur Pinho{/slider}

{slider=21h30 | Concerto da classe de composição de Nicolaus A. Huber, Folkwang Hochschule Essen
Auditório de Serralves, Porto (Co-produção Fundação de Serralves)}

I Parte

II Parte

Flauta | Judith Müller (5)
Oboé | Junko Miyahara (5)
Clarinete | Sebastian Bongarz (1)
Fagote | Rebecca Hagen Sivri (5)
Trombone | Andreas Roth (1,5)
Piano | Hannes G. Seidl (1), Barbara Rojan (5)
Violino | Sabine Baron (2,3), Rina Suzuki (2,3)
Viola | Andres Mehne (3,5), Constanze Ahrendt (5)
Violoncelo | Christian Hacker (1,3,5)
Direcção | Holger Klaus (5){/slider}

Dia 21, Sexta-feira

{slider=21h30 | Concerto da Orquestra do Estágio de Interpretação | Beat Furrer, direcção
Auditório de Serralves – Porto}

I Parte

II Parte

*1º audição em Portugal
**Estreia absoluta

Maestro: Beat Furrer
Maestro Assistente: Artur Pinho{/slider}

Master Classes

{slider=Master-Class pelo musicólogo Michel Rigoni | dia 13}

Evento cancelado

{/slider}

{slider=Master-Class pelo soprano Ana Ester Neves | dias 13 a 16}

09h30 – 13h00; 14h00 – 17h45

O curso basear-se-á na exploração das relações texto/emoção, emoção/voz e voz/corpo, tendo como finalidade o aprofundar das capacidades interpretativas de cada aluno, através do enriquecimento técnico do colorido vocal.

Ana Ester Neves [biografia]

Jorge Ly, pianista acompanhador

{/slider}

{slider=Master-Class pelo compositor Miguel Azguime | dias 14 a 17}

Composição electroacústica: análise e técnicas

10h00 – 13h00; 14h30 – 17h45

1º Dia
Manhã: Genealogias estéticas e tecnológicas
Tarde:   Fundamentos tecnológicos, acústicos e psicoacústicos

2º Dia
Manhã: Novos modelos para a composição
Tarde:  Análise e práticas

3º Dia
Manhã: Composição electroacústica / Composição instrumental: referências cruzadas
Tarde:   Músicas mistas: o conceito da integração

4º Dia
Manhã: Orquestração electroacústica
Tarde:   Ambiente informático: “a mesa de trabalho virtual”

Miguel Azguime [biografia]

{/slider}

{slider=Master-Class pelo fagotista Pascal Gallois | dias 16 a 18}

10h00 – 13h00; 14h00 – 17h45

A master class será baseada em todo o repertório de fagote, com especial ênfase no século XX, focando em profundidade questões técnicas e interpretativas do instrumento.

Pascal Gallois [biografia]

{/slider}

{slider=Master-Class pelo compositor Philippe Hurel | dias 18 e 19}

10h00 – 13h00; 14h30 – 17h45

Manhã: análise de obras do próprio compositor
Tarde: análise de obras apresentadas pelos alunos

Philippe Hurel [biografia]

{/slider}

Estágio de Interpretação Nova Música

{slider=dias 13 a 22 de Dezembro}

Direcção do Estágio: Beat Furrer
Assistente: Artur Pinho

A orquestra de câmara é constituída por cerca de vinte e cinco jovens músicos, provenientes de várias escolas do país, que foram seleccionados e durante nove dias trabalham repertório completamente novo e duas obras de referência, com o maestro e os jovens compositores

flauta | João Costa, Manuel Costa, Vera Pereira

oboé | Francisco Rocha

clarinete | Hélder Gonçalves, Pedro Nuno, João Santos

fagote | Susana Dias

trompa | Marco Cardoso

trombone | Manuel Vieira

tuba | Gustavo Subida

percussão | Bruno Estima, Luiz Ferreira, Pedro Piedade, Hélder Roque, Luís Salgado, Isabel Silva

piano | Ana Luísa Monteiro, Ana Pessoa, Hugo Ribeiro, Isabel Sá*, Ana Queirós*

violino | Basílio Silva, Miguel Costa, José Pedro Henriques, Suzanna Lidegran*

viola | Raquel Bastos

violoncelo | Fátima Neto

contrabaixo | Bruno Martins

* músicos convidados {/slider}

Prémios Nova Música 2001

{slider=Composição}

Ricardo Ribeiro, Sem título

{/slider}

{slider=Interpretação}

Hélder Gonçalves | clarinete

Vera Pereira | flauta

{/slider}

Todas as actividades tiveram lugar no Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro, salvo indicação contrária. 

{tab=Patrocínios}

ua
MINCULTura1

                Deutscher Musikrat

{tab=Apoios}

serralves
centenario logo
pizzarte logo

Hotelaria do Alboi

{tab=Agradecimentos}

Reitoria da Universidade de Aveiro

Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro

Serviços de Acção Social da Universidade de Aveiro

Serviços Técnicos da Universidade de Aveiro

Fundação João Jacinto Magalhães

Blue Rent

Iberocar

Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo – Porto

Escola Superior de Música de Lisboa

Grupo de Percussão de Aveiro

Orquestra Filarmonia das Beiras

Öhmalone – José Miguel Pinto

Universal Edition

Intermúsica

Henry Lemoine

Casa Ricordi

Bährenreiter

Alphonse Leduc

Catarina Lélis{/tabs}

{slider=Ficha técnica}

Direcção Artística

Diana Ferreira, João Pais, Luís Pena

Direcção de Produção

Diana Ferreira, João Pais

Secretariado

Fundação João Jacinto de Magalhães – Rui Alvarenga

Gestão financeira

Fundação João Jacinto de Magalhães

Design

Catarina Lélis

Produção Web

Nuno Aragão

{/slider}

Scroll Up