Menu Fechar

Mesmo “Novas Músicas”

NovasMusicasbanner websiteANT

Depois de uma sessão dedicada a Salvatore Sciarrino, cujos exemplos musicais apresentados se encontram estreitamente ligados à vivência aveirense da música do nosso tempo, a expressão “Novas Músicas” será esta semana levada ainda mais longe, com as escolhas de Pedro Berardinelli para a penúltima sessão da temporada de 2015/16 de Música no Museu, com que a Arte no Tempo tem ocupado as noites de quinta-feira no Museu Arte Nova (Aveiro).

NovasMusicasbanner websiteANTContinuando a visitar o trabalho de compositores italianos, a sessão de hoje põe em debate a música de Pierluigi Billone (1960) e Aureliano Cattaneo (1974), ambos italianos residentes no estrangeiro (Áustria e Espanha, respectivamente).
“Como abordar os instrumentos depois da expansão do universo sonoro que estes sofreram nos últimos cinquenta anos” é a questão que Pedro Berardinelli se propõe tratar, mostrando duas obras dos referidos compositores, que actualmente se dedicam substancialmente à escrita instrumental com abordagens distintas e singulares.
Pedro Berardinelli (Viseu, 1985), elemento da Arte no Tempo e co-criador do projecto Omnia Mutantur, estudou Composição na Universidade de Aveiro onde concluiu a Licenciatura em Ensino de Música e o Mestrado em Composição com uma dissertação sobre Pierre Boulez. Paralelamente frequentou seminários com diversos compositores, de que se destacam aqueles que foram orientados por Emmanuel Nunes, de quem posteriormente teve orientação particular. Actualmente frequenta o Mestrado em Composição Instrumental Contemporânea no Centro Superior de Enseñanza Musical Katarina Gurska (Madrid), onde tem tido oportunidade de trabalhar com compositores como Alberto Posadas, José Luis Torá, Pierluigi Billone, Aureliano Cattaneo e Beat Furrer, entre outros.
O ciclo Novas Músicas termina na próxima semana e, com ele, a temporada de 2015/16 de “Música no Museu”, com Ricardo Ribeiro a apresentar outros dois compositores cujo trabalho é actualmente reconhecido: Raphaël Cendo e Franck Bedrossian.

[a partir do texto que será publicado no Diário de Aveiro de 07 de Maio de 2015]

Scroll Up