Menu Fechar

ars ad hoc 0402 com o apoio da OLI

O segundo momento da pequena “temporada regular” do ars ad hoc acontece em Janeiro, com a apresentação de dois programas com uma obra comum.

Ainda sem previsão de resultados das candidaturas submetidas à DGArtes no quadrimestre anterior, alguns compromissos vão sendo cumpridos com algum risco, mas também com o apoio de entidades como a prestigiada OLI.

© Fundação de Serralves / Anabela Trindade

A terceira semana do ano é, pois, marcada por mais uma residência do ars ad hoc no Auditório de Serralves, onde o agrupamento redescobre, em minucioso estudo, uma das obras que melhor define a natureza do seu trabalho. Falamos do quinteto intorno al bianco [2016], de Beat Furrer, que o ars ad hoc teve o privilégio de preparar com o próprio compositor, em 2019, apresentando-o nos 2os Reencontros de Música Contemporânea, no Teatro Aveirense, mas também no Museu de Aveiro / Santa Joana e em diferentes concertos do Festival de Música dos Açores, antes que o mundo conhecesse a realidade pandémica que caracterizou as temporadas seguintes.

apoia o concerto do ars ad hoc no Auditório de Serralves

No Auditório de Serralves, na noite de 20 de Janeiro (21h30), o quinteto de Furrer é precedido por, como seria de esperar, música de Simon Steen-Andersen (o compositor dinamarquês, residente em Berlim, cuja música de câmara o ars ad hoc tem destacado ao longo desta temporada e que aqui aparece retratado em solos) e uma obra de autor português, neste caso, DITTY-DITTY, para viola e electrónica, que Ângela Lopes (1972) escreveu para Ricardo Gaspar e que este estreou nos Reencontros de Música Contemporânea de 2021. De Steen-Andersen, Diogo Coelho interpretará o Estudo para instrumento de cordas nº 1 [2007], Álvaro Pereira, o Estudo para instrumento de cordas nº 2 [2009], em violino e pedal whammy, e Gonçalo Lélis revisitará o Estudo para instrumento de cordas nº 3 [2011], para violoncelo e video, que o mesmo havia apresentado no concerto de abertura dos 3os Reencontros de Música Contemporânea.

Dois dias depois, o alinhamento é mais diversificado em estilo, combinando novamente uma grande obra contemporânea com uma reconhecida obra do grande repertório clássico-romântico. Sábado, dia 22, o ars ad hoc apresenta-se em no Convento de Jesus, em Setúbal, às 11h30 e, ao final da tarde, no Museu Francisco Tavares Proença Júnior, em Castelo Branco, às 18h00.
A suceder intorno al bianco, e também com Horácio Ferreira, o ars ad hoc interpreta uma das mais destacadas obras para a formação: o Quinteto com clarinete op. 115, de Johannes Brahms.

Mais elucidativo do que qualquer texto é a própria música, pelo que vos convidamos a escutar o registo de intorno al bianco pelo ars ad hoc, num dos concertos do Festival de Música dos Açores de 2019.

[aah 0402S]
Porto, Auditório da Fundação de Serralves
20 de Janeiro de 2022 | 21h30

Horácio Ferreira <clarinete> Álvaro Pereira e Diogo Coelho <violino> Ricardo Gaspar <viola> Gonçalo Lélis <violoncelo>
• S. Steen-Andersen (1976) | Estudo para instrumento de cordas nº 1 [2007] 5’
• S. Steen-Andersen | Estudo para instrumento de cordas nº 2 [2009] ca 6’
• S. Steen-Andersen | Estudo para instrumento de cordas nº 3 [2011] ca 6’
• Ângela Lopes (1972) | DITTY-DITTY [2019] ca 9’
• Beat Furrer (1954) | intorno al bianco [2016] ca 25’

[aah 0402]
22 de Janeiro de 2022 | 11h30
Setúbal, Convento de Jesus
22 de Janeiro de 2022 | 18h00
Castelo Branco, Museu Francisco Tavares Proença Júnior

Horácio Ferreira <clarinete> Álvaro Pereira e Diogo Coelho <violino> Ricardo Gaspar <viola> Gonçalo Lélis <violoncelo>
• Beat Furrer (1954) | Intorno al bianco [2016] ca 25′
• Johannes Brahms (1833-1897) | Quinteto com clarinete op. 115 [1891] ca 38′

outros apoios:

[7.Janeiro.2022]

Scroll Up