Álvaro Salazar

Publicado em biografias - professores e conferencistas

asalazarCompositor, maestro e crítico musical, nasceu no Porto e estudou no Conservatório Nacional de Lisboa onde é professor de Composição (ATC) e de música de conjunto (Século XX). Lecciona ainda, na Escola Superior de Música do Porto, as disciplinas de Introdução à Música Electroacústica e de História da Música do Século XX.
Teve como mestres, no estrangeiro, Gilbert Amy (Análise) e Hans Swarowsky e Pierre Dervaux (Direcção de Orquestra) e, na qualidade de bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, frequentou em Paris o estágio de Música Electroacústica do GRM. Nas provas finais do curso de direcção na École Normale de Paris, foi-lhe concedida, por unanimidade, a mais alta classificação.
Em 1978 fundou a Oficina Musical, grupo dedicado ao estudo e divulgação da música do século XX, do qual é director artístico.
Como chefe de orquestra actuou à frente das principais orquestras portuguesas e ainda em Espanha, Colômbia, França, Alemanha e Itália. Devem-se-lhe primeiras audições mundiais e portuguesas de autores tão significativos como Janácek, Ives, Webern, Villa-Lobos, Varése, Eisler, Dessau, Kurt Weil, Feldman, Ligeti, Georgescu, Láng, Finnissy, Acilú, Barce, Olavide, Marco, etc.
Tem participado como compositor, membro de júris em concursos de Composição e conferencista, em vários cursos e festivais internacionais (Brasil, Chile, Colômbia, Alemanha, Espanha, Itália e Polónia). Esteve também presente, como crítico convidado, nos festivais de Royan, Berlim Leste e Varsóvia.
Colaborador habitual dos Encontros Gulbenkian de Música Contemporânea, foi maestro titular do Grupo de Câmara do Festival do Estoril desde 1979 até 1985.
Pelos serviços prestados à cultura musical foi agraciado com a Medalha de Mérito (Ouro) da Câmara Municipal do Porto. É actualmente Presidente do Conselho Português da Música e Vice-Presidente da Sociedade Portuguesa de Autores.
Entre as suas principais obras contam-se as peças de câmara Palimpsestos, Ludi Officinales, Périplos, Quadrivium, Intermezzi e Taleae, e as partituras para orquestra Glosa e Fanfarra sobre uma Fantasia de António Carreira Tropos.


(última actualização: Dezembro de 1998)