Rosário Pestana no MAN

Publicado em Blog AnT

A convidada desta semana do ciclo 'Música em Portugal no Contexto da Arte Nova' (II) falará sobre orfeonismo e construção de localidade.

 

vinhetaRP2

 

A segunda sessão do ciclo ‘Música em Portugal no contexto da Arte Nova’ (II), acontece esta quinta-feira (9 de Junho), no Museu Arte Nova, promovida pela Arte no Tempo, no âmbito do projecto Omnia Mutantur. A convidada é a musicóloga Maria do Rosário Pestana, Professora do Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro.

No âmbito do projecto financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia "’A música no meio’: o canto em coro no contexto do orfeonismo (1880-2012)", que coordenou, Rosário Pestana desenvolveu larga investigação sobre o tema que hoje vem apresentar: "O orfeonismo nas primeiras décadas do século XX, em Portugal: textos e contextos de construção de localidade".

«Em Portugal, na viragem do século XIX para o século XX, instituíram-se grupos que se apresentaram a cantar em público em eventos cívicos. Estes grupos foram designados “orfeões”, um termo novo no léxico da língua portuguesa cuja grafia— “orphéon” e “orfeón”— testemunha a sua origem francesa e espanhola. Enquanto associação, o orfeão desenvolveu iniciativas com impacto na comunidade local e promoveu actividades para os sócios, ocasionalmente apresentadas ao público, nomeadamente nos referidos eventos cívicos. Esta nova prática social urbana surgiu contextualizada pela cidadania moderna, caracterizada pela participação dos cidadãos na vida pública das comunidades a que pertencem.»  [M.R.P.]

Doutorada em Etnomusicologia pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, além de coordenadora do referido projecto, Rosário Pestana participa no projecto de estudo do Orpheon Portuense, coordenado pelo antropólogo Henrique Gomes de Araújo.

Na próxima semana encerra-se a temporada de 2015/16 da Arte no Tempo, à mesma hora (21h30), no local do costume (Auditório do Museu Arte Nova, com entrada pelo Largo da Praça do Peixe, Pátio da Casa de Chá Arte Nova).

[a partir do texto a publicar no Diário de Aveiro de 9 de Junho de 2016]